WhatsApp 11 9889 2 9889 hathayoga.studio@hotmail.com
Escolha uma Página

Hatha-Yoga

Movimento e Imobilidade

“O corpo se beneficia do movimento e a mente da imobilidade”

~ Sakyong Mipham
Lama da linhagem Nyingma do budismo tibetano

Sakyong Mipham é um lama alto da linhagem Nyingma do budismo tibetano

Sabemos que algo anima o corpo e a chamamos de alma. O corpo possui a mente, o racional e o criativo, o emocional muito bem representado pelo coração, porém hoje é reconhecido como cérebro entérico que representa o “cérebro das emoções” na qual podemos sentir  algum incômodo emocional e imediatamente o estômago apresenta algo como até mesmo uma dor de barriga. Temos um complexo sistema de nervos associado aos diversos outros sistemas que enviam informações para a alma e vice-versa. O corpo precisa de movimento, movimentos diferentes para as mais variadas necessidades, por exemplo, andar e correr para a manutenção da mobilidade básica, outro exemplo as posturas de yoga que os vitalizam, melhoram a nossa flexibilidade e a postura corporal. Os movimentos do corpo em geral os beneficiam.

Em outro  nível está a estabilidade da mente.

1

Yama

Conduta moral

2

Niyama

Observâncias

3

Āsana

Postura estável

4

Prāṇāyāma

Controle do prāṇa

5

Pratyāhāra

Abstração dos sentidos

6

Dhāraṇā

Concentração real

7

Dhyāna

Estado meditativo

8

Samādhi

Supra-consciência

1.
Yama

Constitui-se da prática dos comportamentos morais, éticos, restrições, disciplina ou dever. Entende-se por não-ferir os outros, veracidade, não-roubar, continência e não-cobiça. Preceitos para atingir a verdadeira concentração e pureza mental. Entende-se que a disciplina da conduta moral favorece a liberdade. São elas:

  • ahiṃsā – não violência a partir do pensamento à ação, sinônimo de gentileza ou amizade;
  • satya – falar a verdade, ser sincero, honesto, em conformidade com a parte (āṅga) acima;
  • asteya – não roubar em todos os sentidos, em conformidade com as partes acima;
  • brahmacharya – controle sexual ou compromisso com o objetivo em conformidade com as partes acima;
  • aparigraha – isenção da ganância de riquezas ou posses, desde que em conformidade com as partes acima;

2.
Niyama

Constitui-se das observâncias pessoais ou virtudes para a obtenção de auto-controle, sendo promissor para a prática espiritual da filosofia do Yoga. São elas:

  • śauca – pureza física (externa) e sutil (interna);

  • saṅtoṣa – contentamento;

  • tapas – austeridade, disciplina;

  • svādhyāya – o estudo que o conduz ao auto-conhecimento;

  • iśvara praṇidhāna – concentração no Absoluto.

3.
Āsana

Āsana ou posturas do yoga, utiliza-se do corpo como o instrumento da alma, a nossa estrutura física que é o reflexo da nossa condição interior e está sempre em ação. Como costumo descrever, a postura acontece milhões de vezes no instante do agora, mesmo quando parados, estamos em movimento (interno); e isto é āsana, uma postura firme e confortável para a meditação.

Sabe-se de 84  āsanas clássicos e infinitas variações e outras posturas não tradicionais. Os nomes de muitos dos āsanas clássicos são derivados de deuses hindus e figuras religiosas, figuras mitológicas em escritos antigos indianos ou animais nativos da região. Em diferentes textos tradicionais possuem diferentes nomes para as mesmas posturas, hoje, quase mil anos depois, mais nomes foram dados as mesmas posturas por diferentes razões.

 

4.
Prāṇāyāma

Prāṇāyāma é a técnica respiratória para controle da energia vital (prāṇa). A respiração é a conexão com a consciência. Se você controla a respiração, você controla diversos aspectos da consciência, assim como, se você controla a consciência, você controla a respiração. A força de vontade, os pensamentos, os estados emocionais, o uso da inteligência, todos, possuem uma mesma ferramenta para o seu controle, a respiração. As energias prânicas encontram-se no ar e são assimiladas de acordo com a qualidade dos pensamentos, das ações, e de todas as diversas formas de se expressar.

5.
Pratyāhāra

Abstrair os sentidos é manter-se afastado dos sentidos que não são utilizados a seu favor naquele instante. Por exemplo, é muito comum as crianças não nos ouvirem chamando quando estão brincando. Alguns dos sentidos estão a favor da brincadeira, outros não como a fome e a sede, o frio ou calor, eles não são lembrados ao brincar. Naquele momento, as crianças só ouvem o que desejam – ou seja, só os sentidos solicitados à brincadeira. Essa capacidade de abstração é a capaciade de abstrair os sentidos para a verdadeira concentração.

6.
Dhāraṇā

A concentração acontece depois da abstração dos sentidos ou depois da capacidade de distinguir e separar as sensações produzidas pelos sentidos. Dhāraṇā é realizado com uma vontade inflexível direcionada a um único propósito. Você se fixa num único ponto, podendo ser este um objeto concreto, a sua respiração ou uma única imagem. Quando nos propomos à concentração, diversos pensamentos e imagens podem aparecer, e você precisará tomar as rédeas do pensamento e trazê-los de volta ao objeto de concentração.

7.
Dhyāna

 

É muito comum os alunos perguntarem como saber se estão meditando. A resposta é muito simples, quando você atinge o estado meditativo, não existe dúvidas, porque esse estado é de consciência elevada. O real momento da meditação só é possível depois de atingir o estado de profunda concentração e naturalmente vai de encontro ao estado meditativo. Meditar é o contínuo fluxo da concentração ampliado para o estado meditativo. O caminho para a meditação inicia-se com a capacidade de abstrair os sentidos, mantendo-o até que a pura concentração se instale com naturalidade.

8.
Samādhi

O objetivo final do yoga é o estado de supra-consciência que chamamos de samādhi ou nirvāṇa, que significa a condição de completa libertação sobre as dualidades do mundo interno e consequentemente do externo, posição que transcende a própria meditação por atingir a consciência sobre o seu corpo causal (Karana-Śarīra).

“O meditador e o que é meditado, se tornam uma única coisa, é o estado que não há nem meditação nem coisa meditada.”

~ Svāmī Śivananda

Quer saber mais sobre a filosofia do yoga? Escreva ou fale abaixo nos comentários.

Abaixo as duas interpretações que eu mais considero…

 

  1. Os Sutras do Yoga de Patanjali por Swami Satchidananda – Livro na plataforma Issuu (formato digital) em português – https://issuu.com/yogaville/docs/os_sutras_do_yoga_de_patanjali
  2. O Yoga que conduz à plenitude: Os Yoga Sutras de Patañjali (Português) Capa Comum – 11 out 2017 > por Gloria Arieira

Pin It on Pinterest

Share This