WhatsApp (11) 9889 29 889 hathayoga.studio@hotmail.com

YOGA & LIFESTYLE

A ARTE DO RELAXAMENTO

Relaxar é uma arte. Pelo simples fato que  não se restringe a apenas um momento da prática: o final. Mas sim, deve permear toda a prática. O todo momento da prática devemos buscar o equilíbrio entre a ação firme e determinada, trabalhando com nossa força de vontade e concentração, porém, não ir além das nossas possibilidades ou praticar com tensão. Este é o equilíbrio desejado para alcançar a estabilidade e o conforto. Assim, praticamos com vontade e relaxados ao mesmo tempo.

A prática inteira então se torna um momento para relaxar e quando eu relaxo fica mais fácil respirar, mais fácil se concentrar e muito mais fácil usar sua força de vontade e não exaurir sua força física. Uma prática estável e relaxada é uma prática mais consciente, onde consciente ter compaixão e praticar a não-violência com meu corpo e minha mente, e assim, evoluir seguindo degraus e etapas sem ansiedade, com discernimento e clareza de propósito.

Por isso, relaxar é uma arte. Porque o mais comum é tensionar-se durante toda a prática, principalmente quando é difícil sentar com a coluna ereta, permanecer muitas respirações em uma única postura, equilibrar-se ou encontrar força para persistir, quando o corpo todo treme. Então, como relaxar quando mal consigo respirar? Como relaxar quando todo meu corpo treme?

Olhar para o horizonte para se desconectar com o estresse.
Um olhar além da linha do cotidiano.

O CAMINHO DO MEIO

É importante aprender antes de qualquer coisa a respirar. A respiração é nossa maior guia, uma grande mestra que nos ajuda a nos conectar com nossa força interior, ajuda na concentração, a unir corpo e mente durante a realização de um āsana ou técnica e principalmente, ajuda a relaxar. Ao expirar de forma mais prolongada, conseguimos direcionar nossa atenção para onde precisamos relaxar e soltar. Sendo assim, se estou com o corpo tenso ou a mente tensa durante a prática é respirando que vou soltar e abrir espaço para que a energia flua pelo seu corpo. Porque um corpo tenso é sinal de bloqueio, mas se solto, então permito que a energia flua livremente. Assim como também fluirá a respiração.

Conforme vamos respirando e aprendendo a encontrar nossas forças e nossa intenção e determinação em relaxar, vamos desenvolvendo nossos corpos, que vão se soltando e se acomodando a prática. É importante aprender a adaptar a prática ao seu biotipo e ir avançando gradativamente. Não pule etapas. Segure a ansiedade e substitua a pressa pela perfeição na ação! Isso também ajuda a relaxar, porque abrimos mão das cobranças, das expectativas e das brigas internas do que eu gostaria de fazer mas não é a realidade atual.

Todas as técnicas vão se interligando na prática. Assim sendo, a respiração, uma atitude determinada e focada, a força de vontade aliada à mentalização do que desejo conquistar, com uma mente com pensamentos elevados e inspiradores, irão ajudar a pavimentar sua pratica e favorecer o relaxamento. São vários fatores que precisam se fazer presente para eu poder relaxar.

Relaxar é saber parar o tempo à sua volta e arrumar as prateleiras de seu interior.
Experimentar a paz desejada e saber evoluir dentro do silêncio que vem de dentro da alma.

~ Jader Amadi

OS 4 PONTOS PARA RELAXAR

1º Preciso me respeitar durante a prática. Compaixão com suas limitações. Não-violência com seu corpo e sua mente. A prática de verdade. Faço tudo que posso. Se posso permanecer mais, assim o farei. Se realmente não dá, porque estou me machucando, então devo ser responsável comigo mesmo, e devo voltar. Parar um pouco. Respirar e descansar para poder retomar e dar continuidade a prática.

2º Preciso manter a respiração constante durante toda a prática. Ela é o fio condutor que liga corpo e mente e irá nos ajudar a relaxar quando for preciso. O cultivo de uma expiração prolongada quando precisar relaxar é uma excelente forma de não perder o foco e não tensionar, quando precisamos criar espaço e assentar nossas mentes e corpos em uma permanência confortável e estável.

3º Observação constante durante toda a prática. Faça adaptações quando for necessário e pratique sempre dentro das suas capacidades. Uma mente relaxada é uma mente que está sendo honesta consigo mesmo. Que pratica sabendo até onde pode ir e quando deve avançar, que sabe quando parar, que sabe quando continuar, que sabe fortalecer e relaxar. Que sempre vai de encontro ao perfeito equilíbrio.

4º Não busque o relaxamento como buscamos um pote de ouro ao final da prática. Eu devo chegar a este momento como mais uma etapa da prática, e não como uma ponte de salvação. Se chego exausto neste ponto é porque todo o restante não foi feito de forma harmônica e saudável. A prática deve buscar e ser uma constância. E o final, é apenas o clímax de tudo que construí até este momento final. Que então, o relaxamento faça parte de toda a prática. Do início ao final. Porque após os momentos finais de relaxamento, eu ainda tenha disposição para se desejar, praticar prānāyāmas ou meditação!

RESPIRAÇÕES PARA O RELAX

Para aproveitar melhor a prática de relaxamento seria ideal observar alguns pontos importantes em nossa respiração.

Inicialmente, realize algumas respirações completas. Procurando inspirar plenamente e sentir seu corpo. Na sequência, expire de forma mais prolongada e dessa forma conscientize-se das partes do corpo que precisam relaxar ou soltar-se. Direcione a expirar para cada um desses pontos procurando expandir, liberar e soltar. Geralmente, os pontos mais tensos são: mandíbula, ombros e parte superior das costas, peito e abdômen, períneo e glúteos.

Através da respiração consciente, faça os ajustes finais para encontrar a imobilidade e conforto. Conforme respira de forma completa e consciente, realize os ajustes mais adequados a postura escolhida para a prática de relaxamento até sentir-se confortável e sem vontade de se movimentar.

Imobilidade e conforto. A partir deste ponto, libere a sua respiração para que ela siga naturalmente sem nenhum esforço ou controle da sua parte. Decida a partir desse momento a não interferir mais na respiração desde que ela tenha assumido uma fluidez e tranquilidade. Permita que a imobilidade torne-se confortável. É importante decidir assim permanecer para aprofundar-se nas técnicas a serem trabalhadas dentro do relaxamento.

O corpo todo respira. Que o seu corpo se torne essa respiração livre e profunda, entregando-se a experiência da pausa, do silêncio e do relaxamento da forma que ele vier. Deixe o corpo preencher-se e esvaziar-se. Colocando uma intenção para esse momento. Veja que sentimento ou pensamento você precisa fortalecer e nesse momento espalhe essa força por todo o seu corpo. Por exemplo: Se és muito ansioso, inspira paz e expire a ansiedade. Inspire sentindo a paz por todo o seu corpo que participa da respiração e expire para fora da sua mente e do seu sistema todo e qualquer resquício de ansiedade. Sinta qual sentimento/pensamento deve trabalhar e mantenha fixo essa intenção.

Shavāsana – postura do morto.

POSTURAS PARA O RELAX

A postura mais conhecida para a prática de relaxamento e muitas vezes, associada diretamente com o momento do relax ou até da hora de dormir, é o śavāsana, porém, na verdade, é um dos āsanas mais difíceis de ser executado e portanto, conquistado! Porque é muito fácil deitar e dormir, sem manter-se totalmente consciente e profundamente relaxado.

Leslie Kaminoff, aponta que  “a postura do cadáver é dito ser o mais fácil āsana para executar, mas o mais difícil de dominar”. Sendo assim, precisamos ter em mente que dormir não é sinônimo de relaxar e que śavāsana não é sinônimo de relaxamento. Ou seja, a postura em si não é um fim em si, mas um meio que nos conduzirá a este estado de profunda consciência e relaxamento.

Assim como em todos os outros āsanas, é preciso prática, é preciso permanência e é preciso força de vontade para conseguir uma profunda liberação de toda a tensão residual, profundo relaxamento e uma consciência profunda durante o tempo todo!

Há outras posturas que podem ser utilizadas durante o relaxamento quando não é possível deitar-se no solo. Você pode sentar-se em um cadeira, desde que permaneça longe do encosto ou até mesmo estar em uma postura sentada com as pernas cruzadas ou de pé (se essa for sua única opção). O importante é seguir todos os princípios do relaxamento que foram citados até este momento.